Controle Financeiro

Como sair do vermelho?

Quitar as dívidas é um dos maiores desafios para os brasileiros. Segundo dados da 7waves, 16,910 usuários de nosso aplicativo tem como objetivo sair do vermelho. Já os números divulgados pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), apontam que o percentual de endividados no país em abril de 2020 foi de 66,6%, o maior índice desde 2010.

Esse número indica que grande parcela dos brasileiros vive em constante preocupação, principalmente em tempos de pandemia, com tantas incertezas pairando no cenário econômico mundial. No Brasil, muitas pessoas tiveram ou estão com os contratos de trabalho suspenso, ou com jornadas reduzidas, e com a taxa de desemprego em 13,1% é esperado que a instabilidade econômica somada a falta de educação financeira das famílias, o percentual de endividamento aumente.

Sabemos que as perspectivas à primeira vista não são as melhores, porém com ações eficientes é possível sair do vermelho e reverter a sua situação econômica.

Fusca na Bolsa

imagem: Freepik

7 dicas para sair do vermelho

A 7waves em parceria com o Douglas Merechia, educador financeiro e fundador do Fusca Na Bolsa destaca algumas ações com o objetivo de facilitar o seu relacionamento com as finanças. Vamos pegar carona nesse fusquinha rumo à liberdade financeira? Para começar, confira nossas 7 dicas:

Definir sair do vermelho como prioridade
Imagine um fusca dormindo ao relento, se nada fosse feito ele se tornaria sucata, a desvalorização a cada ano é a tendência natural para a maioria dos carros. Mas ao eleger como prioridade a preservação da originalidade, manutenção em dia e uma boa conservação, ele pode possuir um valor mais elevado e se tornar um belo carro de coleção.

Assim como o exemplo do fusquinha, você deve eleger prioridades! Acabar com suas dívidas deve ser a primeira delas, assim você caminhará rumo a uma vida financeira saudável e até mesmo poderá se tornar um investidor.

Listar e ordenar todas as dívidas
O segundo passo é listar todas as dívidas, depois ordená-las da mais cara para a mais barata, sendo que a mais cara é aquela que possui maior juro efetivo, não é a de maior valor como muita gente pensa.
Se tiver alguma parcela em atraso, ela deve ser passada à frente das outras e vai para primeira da lista.

Normalmente a ordem é: Cartão de Crédito, Cheque Especial, Empréstimo Pessoal, Empréstimo Consignado, Financiamento de Automóvel, Financiamento de Imóvel, Compras Parceladas.
Então, somando tudo terá o valor total e será mais fácil identificar a origem do problema, o que nos leva a próxima dica.

Identificar a causa do problema
Quando o fusca não pega, pode até ser empurrado, isso resolve uma vez, mas com toda certeza o problema voltará. Para resolver definitivamente, uma análise do mecânico de confiança é essencial. No seu caso, é importante entender o real motivo de suas dívidas:

a) Se as contas de consumo básico estão altas, provavelmente você está vivendo num patamar acima do que pode, reduzir despesas será essencial;
b) Se foram imprevistos que o fizeram gastar mais, uma reserva de emergência resolverá, esse será o próximo passo depois de quitar as contas;
c) Agora se foi falta de controle, será necessário enfrentar suas finanças e aprender a dizer “não!”.

Negociar com os credores e trocar dívidas mais caras por mais baratas
Para negociar melhor, antes você precisará saber qual a menor taxa de juros efetiva do mercado, atualmente é de 0,84% ao mês. Depois você vai negociar, inclusive as com pagamento em dia. Porque não tentar, o “não” você já tem, vá lá e busque o “sim”.

Seja direto, diga sua situação atual e a real necessidade de reduzir os juros das dívidas, estamos num momento propício para essas negociações, serão grandes suas chances de conseguir descontos e abatimentos nas prestações. E se não conseguir negociar, pegue a dívida que tiver o menor juro efetivo do mercado e quite as suas dívidas atuais.

Reduzir despesas
O melhor caminho para começar é reduzindo as despesas fixas mensais, essas você já começa o mês devendo, reduz o plano da TV à cabo, telefone fixo, celular, uma boa tática é entrar em contato com as operadoras dos serviços mencionados pelo menos uma vez ao ano para tentar negociar o valor pago.

Se seu carro estiver parado, venda! Vai acabar com os gastos de IPVA, seguro, desvalorização, manutenção preventiva e corretiva. Se for um fusca, sei que vai dar um aperto no coração, mas quitar as dívidas vai valer a pena. Lembra do primeiro item? Prioridade!

Agora se você usa bastante seu carro, provavelmente não vai compensar vende-lo, mas pelo menos use o Google Maps/Waze e evite horários de pico para economizar tempo e combustível. E nada de compras desnecessárias, imprevistas, não aja no impulso e deixe as compras maiores para quando sair do vermelho.

Aumentar receitas
Outro ponto para você que empreende é trabalhar seu negócio principal, basicamente existem três formas de faturar mais, aumentar: o número de clientes, o preço médio e a recorrência. É importante você ir testando rápido e sem gastar muito, aprendendo e mantendo apenas o que funciona.

Trabalhe o desapego, bazar com as roupas que não usa, venda aquela bicicleta parada, objetos de decoração que estão no armário, eletrodomésticos duplicados. Se for o caso, você pode colocar no AirBnb o quarto desocupado ou a casa de praia fechada.

E para renda extra, explore assuntos que você já domina, seus hobbies também, em algum tempo pode até se tornar seu negócio principal. O ofício principal do fusquinha é educação financeira, mas como exemplo de renda extra, no fim-de-semana ele tira fotos com noivos.

Priorizar amortização
Seguiu todas as dicas anteriores e sobrou uma graninha, o melhor destino dela é amortizar as dívidas. Assim as dívidas não se transformam em bola de neve, afinal, arredondado e de cor branca nessa área de finanças, só mesmo o Fusca Na Bolsa.

Como você acabou de ler, é possível sim, sair do vermelho com um bom planejamento. Para te auxiliar na organização de sua vida financeira, você pode contar com a 7waves. Baixe agora o app e comece hoje mesmo, a gerenciar suas finanças de modo mais assertivo e seguro.

 

Veja também:
Fui demitido e agora? 7 dicas para encarar o desemprego sem desespero
Como e onde começar a investir?


Voltar